Skip to content

Estudo Sistematizado (ESDE)

O Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (ESDE) tem por objetivo propiciar àqueles que pretendem iniciar-se no estudo da Doutrina um aprendizado de forma, relativamente, simples, objetiva e dinâmica.

O próprio Allan Kardec como intelectual e homem das ciências sempre estimulou o estudo, a perquirição e o uso da razão, tanto que na primeira página interna de O Evangelho Segundo o Espiritismo (ESE), qualquer que seja a editora, está escrito: “Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade” (extraído da edição da Federação Espírita Brasileira – FEB). Como questionar sem estudo? Eis a questão.

Assim, a metodologia utilizada no ESDE oferece inúmeras e importantes vantagens em relação às formas autodidatas e desordenadas tradicionalmente adotadas por núcleos espiritistas no passado. Não é demais salientar que o aprofundamento doutrinário somente será possível pelo estudo sério, metódico e continuado das obras básicas, complementares e subsidiárias.

Nós, do ESDE, acreditamos que se no começo for proporcionado ao estudante uma visão do Espiritismo de forma mais didática, rápida e agradável, este estudo será de grande contribuição para a formação adequada do (verdadeiro) espírita e para ampliar a divulgação correta da doutrina. Lembrando que o verdadeiro espírita é reconhecido pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más (item 4, capítulo XVII de O ESE).

No Centro Espírita Paulo de Tarso estamos utilizando a metodologia instituída pela Federação Espírita Brasileira (FEB), fundamentada no método de estudo contínuo e sério da codificação de Allan Kardec e obras complementares e subsidiárias. O programa apresenta um conjunto de temas consubstanciado no tríplice aspecto da doutrina espírita: filosófico, científico e religioso, de tal modo que dessa integração ficam consignados os elementos necessários à aquisição da fé raciocinada, já citada por nós, sem os efeitos indesejáveis do fanatismo ou do misticismo alienante e da racionalidade incrédula e pretensiosa.

Deve ser salientado, ainda, um aspecto relevante do curso que é a adoção dos romances históricos do autor espiritual Emmanuel (mentor de Chico Xavier), indicados como leitura complementar aos estudantes desde o primeiro semestre do ESDE. Procura-se para tal desiderato, muito mais que obrigar, motivar o estudante para essa leitura, que começa, por óbvio, pelo primeiro dos romances: Paulo e Estevão, com a dedicação da última aula, do primeiro semestre, para apresentação dos aspectos relevantes da obra, pelos próprios estudantes com a supervisão dos dirigentes. Essa experiência tem produzido resultados surpreendentes.

Para concluirmos estas considerações, breves, diga-se de passagem, apresentamos três questões e as respostas na sequência.

 

Por que estudar a Doutrina Espírita?

 

Aos espíritas (e simpatizantes) dizemos que se deve estudar a Doutrina Espírita porque as idéias espíritas são um penhor de ordem e tranquilidade, haja vista que pela sua influência, os homens se tornam (ou podem se tornar): (a) melhores uns para os outros; (b) menos ávidos das coisas materiais; e (c) mais resignados aos decretos da providências (Allan Kardec. O Livro dos Espíritos. Conclusão, VI).

 

Como estudar?

 

“O Espiritismo é toda uma ciência, toda uma filosofia. Quem, pois, seriamente queira conhecê-lo deve, como primeira condição, dispor-se a um estudo sério e persuadir-se de que ele não pode, como nenhuma outra ciência, ser aprendido a brincar" (Allan Kardec. O Livro dos Médiuns, 1ª parte, capítulo III, item 18).

“O que caracteriza um estudo sério é a continuidade que se lhe dá" (Allan Kardec. O Livro dos Espíritos. Introdução, item 18).

 

Qual a função do estudo?

 

“Para que o adepto do Espiritismo se integre, realmente, no espírito da Doutrina, exige-se-lhe o aprofundamento intelectual no conteúdo da informação espírita de modo a corporificá-la, conscientemente, no comportamento moral e social, na jornada diária.” (Vianna de Carvalho. Sementeira da Fraternidade, capítulo 18).

Dirigentes do ESDE

sfy39587p00